1.944 sitios, 99 siguiendo, 251 seguidores, 1.286 descubiertos, 13 check-ins, 95.583 visitas

"Quienes aseguran que es imposible no deberían interrumpir a quienes estamos intentándolo.” Thomas Alva Edison.

eye

mostrando 112 sitios

Cafeína

+351 226 108 059

Rua do Padrão 100 Oporto, Portugal

guardado por 19 personas

ver más restaurantes portugueses en Oporto

50 años ahí

me gusta

Después de 50 años en la brecha, este restaurante situado en una antigua casa en la zona de Foz sigue marcando ritmos, gracias a la cocina del Chef Georges Pereira

Muy muy muy bien cenamos! Sept 2012

etiquetas: , ,

listas: EUROPA_portugal, comer

eye

Fenomenal cenamos ayer!!

20 de septiembre de 2012

sin fotos + añadir

l´and vineyard

Estrada Nacional 4 Herdade das Valadas Apartado 122 7050-031 Montemor-o-Novo Évora Montemor-o-Novo, Portugal

guardado por una persona

sin fotos + añadir

l'and vineyards

Estrada Nacional 4 Herdade das Valadas Apartado 122 7050-031 Montemor-o-Novo Évora, Portugal

guardado por 2 personas

sin fotos + añadir

lojadatalaia

Av. Infante Dom Henrique Lisboa, Portugal

guardado por una persona

sin fotos + añadir

a direita de marvila

rua direita de marvila, 86 Lisboa, Portugal

guardado por una persona

eye lo descubrió en febrero de 2012

A Direita de Marvila, Rua Pereira Henriques, 1, Armazém 9
(Ter a Sáb das 15.00 às 19.00)

from timeout

As peças ‘vintage’ estão na moda: são giras, de qualidade e combinam facilmente com outros estilos. Ana Garcia Martins conta-lhe mais

São peças de linhas direitas, despretensiosas, mas não simplistas ou básicas. Fizeram furor num passado com trinta, quarenta, cinquenta anos, mas acomodam-se nos dias que correm sem acusar os anos que sobre elas pesam. São candeeiros, mesas, sofás, tudo vintage. Afinal, a moda é cíclica, mesmo que de mobiliário se trate. E o que foi acaba sempre por voltar a ser, ao contrário do que diz a canção.
Como em qualquer novo conceito que começa a emergir numa cidade, também aqui é impossível não recorrer à comparação do “lá fora”. Lá fora há, lá fora faz-se, lá fora têm... Lojas de mobiliário vintage há-as lá fora aos molhos. Tropeça-se nelas nas esquinas de Paris, de Madrid, de Amesterdão. Mas cá dentro também há. É certo que os dedos de uma mão são suficientes para contá-las, mas não é por isso que perdem interesse. Porque este é um negócio que vive do tempo e se quer paciente.
A Direita de Marvila, uma loja especializada em mobiliário dos anos 50, 60 e 70, é um desses casos. “Trabalhei muitos anos em cinema, como decoradora, e tinha tralha que nunca mais acabava. Entretanto, eu e o meu sócio da altura fizemos uma viagem até à Holanda e Alemanha, trouxemos coisas e abrimos a loja. É um espaço pouco vulgar e com uma enorme mistura de coisas”, explica Ana Maria Louro, a proprietária.
Por ter um design cuidado mas sóbrio, o mobiliário vintage está a ganhar adeptos. “Há, sobretudo, uma procura por parte da malta mais nova. São pessoas que têm mais prazer nisto, que são mais viradas para o design. E são o género de clientes que me dá gozo receber. Há quem pague a prestações só para poder levar uma peça muito gira, qualquer coisa que é, de facto, original. São peças perfeitamente conjugáveis tanto com coisas do Ikea como de antiquários”, sublinha a responsável.
Mas este não é um prazer barato. Nesta, como noutras lojas do género, a larga maioria das peças são importadas. É preciso pagar o transporte, o restauro, os anos, a exclusividade de ter uma peça que poucos terão, a qualidade dos materiais. Tudo isso se reflecte na hora de marcar um preço na etiqueta. Peças de assinatura portuguesa são poucas. “Naquelas décadas importava-se muito pouco e o design português era muito dirigido para hotéis”, diz Ana Maria Louro. Quer isto dizer que não valerá muito a pena correr para casa de tios e avós em busca de uma raridade perdida, porque o máximo que se poderá encontrar são cópias do que fazia “lá fora”, devidamente aportuguesadas pelos marceneiros da altura.
A Usuário, na Graça, é outro desses espaços onde o passado anseia por saltar para o presente “Um usuário é alguém que utiliza uma coisa durante um certo tempo”, diz Miguel Lemos, o dono. E é isso que acontece aqui, há já três anos.
A aposta também recai no design vintage, com especial incidência no mobiliário nórdico. Miguel Lemos, o dono, explica a “febre retro” pelas “linhas puras e facilmente misturáveis com outros estilos” e pela “massificação do design”. Não consegue definir os objectos mais procurados, mas candeeiros e mesas de jantar têm sempre saída. “Temos feito um esforço enorme para ter peças a preços mais acessíveis, de autores menos conhecidos, para alargar mais o leque de clientes”, diz, reforçando a ideia que o “modernariato” (antiguidades modernas) pode representar um rombo em muitas carteiras.
Se é certo que estes espaços não fazem parte de uma qualquer ordem secreta, não é menos verdade que parecem ter uma cultura muito própria. “É uma loja que funciona muito pelo boca-a-boca. É uma coisa mais particular, mais íntima, na base do ‘só nós é que sabemos’”, diz Ana Maria Louro sobre a sua Direita de Marvila. Na Usuário, por seu lado, o cartaz da porta diz “aberto”, mas não deixa de ser preciso tocar à porta. “Há quem pense que isto é uma loja de candeeiros”, conta Miguel Lemos.
A Direita de Marvila, Rua Pereira Henriques, 1, Armazém 9

etiquetas:

listas: EUROPA_portugal, Vintage, arquitectura-ingeniería, comprar, diseño, muebles, vintage, muebles...

sin fotos + añadir

pop in

largo da trindade,17 Lisboa, Portugal

guardado por una persona

sin fotos + añadir

Alma Lusa

Rua de São Bento, 363 Lisboa, Portugal

guardado por una persona

Hotel Ribeira Tejo Boutique Guesthouse

+351 914 176 969

Travessa de Sao Paulo 5 Lisboa, Portugal

guardado por 3 personas

ver más hoteles en Lisboa

artefacto

Cç. da Graça, 10 Lisboa, Portugal

guardado por una persona

eye lo descubrió en febrero de 2012

Cç. da Graça, 10, 21 887 3175, aberta de seg. a sex. das 10.00 às 19.00 e aos sábados, domingo e feriados das 11.00 às 19.00

de timeout:

“Sempre tive interesse pela arte popular e senti que havia uma lacuna na oferta. Por um lado, temos lojas tradicionais de artesanato, onde as coisas estão aglomeradas. Por outro, temos galerias de arte. Achei que havia espaço para trazer algo diferente e valorizar artistas desconhecidos e com um percurso original”, conta Rosa Cipriano, a responsável pela galeria de arte popular Artefacto. As peças saíram da imaginação e das mãos de artistas que o são sem o saberem. “Fiz uma pesquisa a nível nacional e procurei trabalhos e artistas dentro de uma linha mais tradicional. Não foi muito fácil convencer alguns, mas depois gostam de ver que as pessoas se interessam e que o trabalho é reconhecido”. Foi através deste processo de convencimento que chegaram à loja os bordados da D. Amélia, as esculturas de madeira do Sr. Roberto, os cachimbos do Sr. Manuel, ou os pássaros de lata do Sr. Abílio. Junto às peças, uma ficha com fotografia explica a história dos artistas, dá-lhes cara.
Nas prateleiras também há espaço para postais antigos, e uma pequena selecção de livros e de música portuguesa. Tudo a preços acessíveis, dos dez aos 435 euros, a peça mais cara (uma moldura com palha, intitulada “Quadro para Burros”).

etiquetas:

listas: EUROPA_portugal, comprar, cultura museos arte, diseño